Junos 2017 homenageiam Cohen e Downie, e empolgam com Shawn Mendes

Junos 2017 homenageiam Cohen e Downie, e empolgam com Shawn Mendes

Apresentada no último domingo em Ottawa, a entrega do Juno 2017 – a premiação anual do melhor da música canadense – teve um certo clima de “in memoriam”… Três dos principais prêmios foram para Gord Downie, líder da banda de rock alternativo The Tragically Hip, que enfrenta um câncer cerebral terminal, e dois para o legendário Leonard Cohen, que morreu em novembro passado. A sessão nostalgia foi temperada com a jovialidade das novas carinhas do pop, como Alessia Cara, Ruth B e Shawn Mendes, que chegou para desbancar o intragável Justin Bieber.

Leonard Cohen ainda domina a cena musical canadense, e seu canto do cisne You Want it Darker levou para casa Álbum do Ano homenageia no Juno Awards em Ottawa domingo. O disco,  seu 14º e último álbum,  foi lançado outubro do ano passado, apenas três semanas antes da morte de Cohen, aos 82 anos – o que lhe valeu também o prêmio de Artista do ano.

O próprio primeiro-ministro Justin Trudeau, e sua mulher Sophie apresentaram o tributo a Cohen, que Trudeau saudou como o “um dos maiores artistas que o Canadá já produziu”. A homenagem a Cohen também incluiu uma apresentação da cantora Feist, que cantou “Hey, That’s No Way To Say Goodbye.” Não faltaram lágrimas… Para ver Justin Trudeau investido  de VJ e Feist, por  favor, clique aqui: Homenagem de Justin Trudeau a Leonard Cohen no Juno 2017

O outro momento de emoção geral foi a apresentação do vídeo de Gord Downie. O músico não pode comparecer à cerimônia, mas sua obra dominou a festa. Downie levou os Junos de compositor do ano, e Álbum  Alternativo do ano por seu disco solo Secret Path, e com o Tragically Hip arrebatou o melhor Álbum Rock  para Man Machine Poem.

Embora não seja muito conhecida internacionalmente, The Hip, como são chamados aqui, é uma das bandas de rock mais populares do país. Dos seus 14 álbuns, nove foram Nº1 do Canadá, e com a premiação desta semana eles já têm um total de 17 Junos na prateleira. Formada em 1983 em Kingston, na província de Ontário, a banda fez um último show no verão do ano passado – poucos dias depois do anúncio do diagnóstico de Downie. Transmitido ao vivo na televisão e online, o show foi assistido por quase 12 milhões de fãs.

Sarah Mac Laghlan

Mas o Juno deste ano não foi  feito só de lembranças do passado – apesar de ter sido comandada por Bryan Adams, outro monumento histórico da música canadense. Novas carinhas da música pop animaram a festa, e compensaram a chatice de Sarah MacLachlan – outro ícone homenageado, agora devidamente  induzida ao Canadian Music Hall of Fame.

A primeira novidade foi a banda The Strumbellas,  cujo hit Spirits, que toca cem vezes no radio diariamente,  ganhou a melhor canção do ano. A premiação surpreendeu muita gente, inclusive o vocalista da banda Simon Ward (de calça rosa na foto), tão despreparado que acabou aceitando o prêmio descalço, no melhor estilo “descontração canadense”. Ward disse que tinha tanta certeza de que a banda não iria ganhar que já tinha tirado as apertadas botas de amarrar, e não teve tempo de calçá-las novamente para subir ao palco.

Outra boa surpresa foi Ruth B, a cantora ingénue de Edmonton, em Alberta, que lançou sua carreira  na Internet – primeiro com um Vine, e em seguida com o vídeo Lost Boy no Youtube, em 2015. Ruth B levou o merecido prêmio de artista inovador.

O Juno de melhor álbum pop foi para outra novata, a cantora e compositora Alessia Cara, com seu Know-It-All. Cara, de apenas 20 anos, ganhou o Juno de Artista inovador no ano passado, e vem rapidamente fazendo seu lugar na cena musical norte-americana.

Se Cohen e Downie emocionaram, o delírio veio com a sensação juvenil  Shawn Mendes, Juno Escolha dos Fãs (leia-se adolescentes deslumbradas). Aos 18 anos, Mendes já é uma superstar que tem mostrado talento tanto como músico quanto como ídolo de legiões de garotas apaixonadas. Te cuida, Justin Bieber…

 

 

Related posts

Leave a Comment